Dientes primarios verdes por hiperbilirubinemia

Autores

  • Ivana Aguiar Raposo São Leopoldo Mandic Campinas https://orcid.org/0000-0003-3548-2276
  • Ronilza Matos Universidade Paulista https://orcid.org/0000-0002-7479-6887
  • Marta Verônica Souto de Araujo Universidade Federal de Pernambuco
  • Tamara Kerber Tedesko Universidade Federal de Santa Maria
  • José Carlos Petorossi Imparato Universidade São Paulo- USP

DOI:

https://doi.org/10.47990/alop.v11i2.304

Palabras clave:

Hiperbilirrubinemia, Diente, La bilirrubina, Sepsis, nino, Odontología Pediátrica

Resumen

Definida como uma concentração súmade de bilirrubina, a hiperbilirrubemia é uma condição rara e pode ser causada por qualquer fator que eleve a carga de bilirrubina a ser metabolizada pelo fígado. Assim, a bilirrubina é distribuída através de tecidos corporais e se acumula em tecidos duros, mesmo nos dentes primários.
O objetivo deste trabalho é relatar um caso clínico sobre o impacto severo da hiperbilirrubemia nos dentes primários, e suas manifestações orais na primeira infância, tais como: dentes esverdeados. Paciente do sexo masculino, de 3 anos e 8 meses, procurou clínica odontológica para avaliação de "manchas verdes nos dentes". No histórico médico observou-se que a criança nasceu prematura e teve complicações pós-parto que evoluíram para sepse, e devido ao uso de vários medicamentos, desenvolveram um quadro de hiperbilirrubemia. O exame clínico odontológico mostrou a presença de manchas verdes nos 20 dentes primários, ausência de lesão na cavidade, gengivas saudáveis e boa condição de higiene bucal. Conclui-se que os altos níveis de bilirrubina desenvolvidos pela criança prematura associada à sepse podem levar à pigmentação verde (coloração intrínseca) nos dentes primários e até mesmo ao envolvimento de dentes permanentes. Portanto, o conhecimento do histórico médico da criança desde o nascimento é relevante para o estabelecimento do diagnóstico e prognóstico de alterações dentárias.

Biografía del autor/a

Ivana Aguiar Raposo, São Leopoldo Mandic Campinas

Especialista em Odontopediatria pela São Leopoldo Mandic-Fortaleza

Mestre em Odontopediatria pela São Leopoldo Mandic- Campinas SP

Doutoranda em Odontopediatria pela São Leopoldo Mandic Campinas SP 

Ronilza Matos, Universidade Paulista

Graduação em Odontologia pela Universidade Paulista - SP (2001), especialização em Odontopediatria pela Universidade Estadual de Feira de Santana - BA (UEFS), Mestrado e Doutorado em Odontologia, área de concentração em Odontopediatria

Marta Verônica Souto de Araujo, Universidade Federal de Pernambuco

Especialista em Odontopediatria pela UFPE

Especialista em Ortodontia pela FOR

Mestre em Odontopediatria pela São Leopoldo Mandic

Tamara Kerber Tedesko, Universidade Federal de Santa Maria

DDS, MSc Dental Sciences - Pediatric Dentistry - Federal University of
Santa Maria (UFSM) - Santa Maria, Brazil
PhD Sandwich in Academic Centre for Dentistry Amsterdam (ACTA) - Amsterdam,
Netherlands.
PhD Dental Sciences - Pediatric Dentistry - University of São Paulo (USP) -
São Paulo, Brazil.
Postdoctoral - Pediatric Dentistry - University of São Paulo (USP) - São
Paulo, Brazil.
Associate editor of BMC Oral Health and BMC Pediatrics
Titular Professor of Pediatric Dentistry - Ibirapuera University (UNIB) -
São Paulo, Brazil / UNIP - Campinas, Brazil
Titular Professor of Graduate Program in Dentistry - Ibirapuera University (
UNIB) - São Paulo, SP - Brazil

José Carlos Petorossi Imparato, Universidade São Paulo- USP

Possui Graduação em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (1987), Mestrado em Ciências Odontológicas pela Universidade de São Paulo (1996), Doutorado em Ciências Odontológicas pela Universidade de São Paulo (1999), Especialista em Radiologia (1994) e Odontopediatria (1991) pela Unicastelo, Especialista em Arqueologia pela UNISA (2008). Professor Livre Docente da Disciplina de Odontopediatria da Universidade de São Paulo e Professor do Programa de Pós-Graduação da Faculdade São Leopoldo Mandic. Presidente da ABOPED no período de 2016 a 2019. Consultor Internacional e Presidente da Liga Nacional da ABOPE no período de 2020 a 2021. 

Citas

Watanabe K, Shibata T, Kurosawa T, Morisaki I, Kinehara M, Igarashi S, et al. Bilirubin pigmentation of human teeth caused by hyperbilirubinemia. J Oral Pathol Med. 1999; 28:128-30.

Almeida E. Pigmentação verde da dentição primária associada à hiperbilirrubinemia no período neonatal. Revista Científica FMC. 2011; 6: 8-10.

Najib KS, Saki F, Hemmati F, Inaloo S. Incidence, risk factors and causes of severe neonatal hyperbilirubinemia in the South of iran (fars province). Iran Red Crescent Med J. 2013;15(3):260-3.

Battineni S, Clarkep. Green teeth are a late complication of prolonged conjugated hyperbilirubinemia in extremely low birth weight infants. Ped Dent. 2012; 34 (4): 103:6.

Kyung PM, Sun Y, Kang CM, Lee H, Seon CJ. Green Teeth Associated Hyperbilirubinemia in Primary Dentition. J Korean Acad Pediatr Dent 2017; 44(3): 378-383.

Silva JEO. Dentes esverdeados em paciente com colestase neonatal: relato de caso clínico [monografia]. Manaus: Instituto de Ciências da Saúde Funorte/Soebras; 2012.

Zaia AA, Graner E, De Almeida OP. Oral changes associated with biliary atresia and liver transplantation. J ClinPediatr Dent 1993; 18: 39-42.

O’Connor MJ. Mechanical biliary obstruction. A review of the multisystemic consequences of obstructive jaundice and their impact on perioperative morbidity and mortality. Am Surg 1985; 51: 245-51.

Silva RN , Alves FA, Antunes A, Vai MF, Giannini M, Tenório MD, Machado JL, Paes-Leme AF, Lopes MA, e Silva ARS. Decreased dentin tubules density and reduced thickness of peritubular dentin in hyperbilirubinemia-related green teeth. J Clin Exp Dent. 2017 May; 9(5): e622–e628.

Do Valle IB, E VM, Goese TB, Oliveira ZFL, SandraVentorin von Zeidler. Green Teeth in the Primary and Permanent Dentition. J Pediatr 2017;191:275.

Canela AHC, Rezende KMPC, Carrilho SR, Arana-Chavez V.E, Bönecker M. Hyperbilirubinemia and intrinsic pigmentation in primary teeth. A case report and histological findings.. Pediatric and Developmental Pathology (Print), v. 14, p. in press, 2011.

Sommer S, Magagnin K, Kramer PF, Tovo MF, Bervian J. Green teeth associated with neonatal hyperbilirubinemia caused by biliary atresia: review and case report. J Clinic Pediatr Dent. 2010; 35: 199-202.

Rangé H, Camy S, Cohen J, Colon P, Bouchard P. Dental treatment of an adult patient with a history of biliary atresia. Quintessence Int. 2012;43(4):337-41.

Sandoval MJ, Zekeridou A,? Spyropoulou V,? Courvoisier D,? Mombelli A,? McLin V,?Giannopoulou C. Oral health of pediatric liver transplant recipients. Pediatric Transplantation. 2017;21:e13019.

Rosenthal P, Ramos A, Mungo R. Management of children with hyperbilirubinemia and green teeth. J Pediatr 1986; 108: 103-5.

Fernandes KS, Magalhães M, Ortega KL. Green teeth. J Pediatr. 2011; 158: 510.

Silva Filho OG, Garib DG, Lara TS. Ortodontia interceptiva. Protocolo de tratamento em duas fases. Ed Artes Medicas.2013

Alto L, Pomarico L, Souza IPR. Green pigmentation of deciduous teeth: report of two cases. J Dent Child (Chic). 2004; 71: 179-82.

Barbério GS, Zingra ACG, Santos PSS, Machado MAAM. Green Teeth Related to Bilirubin Levels. Acta stomatol Croat. 2018;52(1):61-64.

Lin YT, Lin YT, Chen CL. A Survey of the oral status of children undergoing liver transplantation. Chang Gung Med J. 2003; 26: 184-8.

Vivas APM. Avaliação de manifestações bucais em pacientes pediatricos submetidos ao transplante hepatico (dissertação). São Paulo: USP/FO;2012.

Patil SB, Hugar S, Patil S. Green teeth associated with hyperbilirubinemia: A case report. European Archives of Paediatric Dentistry. 2014; 15(2 suppl):221-223

Descargas

Publicado

2021-07-01

Cómo citar

Raposo, I. A., Matos, R., Marta Verônica Souto de Araujo, Tedesko, . T. K., & Imparato, J. C. P. (2021). Dientes primarios verdes por hiperbilirubinemia. Revista De Odontopediatría Latinoamericana, 11(2). https://doi.org/10.47990/alop.v11i2.304

Número

Sección

Reporte de Casos